Postagens Mais Acessadas

28.9.11

Homem também apresenta queda hormonal após nascimento do bebê



Homem também apresenta queda de hormônio após o nascimento do bebê
Até pouco tempo era conhecido que as puérperas apresentavam uma redução no nível de hormônio feminino. Essa queda estava relacionada a necessidade biofisiológica da mulher em direcionar sua atenção e afeto ao seu filhinho recém chegado. Seria a verdadeira preservação do ninho que acabara de nascer.
Pesquisas atuais têm demonstrado que os homens, quando se tornam pais recentes, também apresentam essa queda de hormônio, ou seja, de hormônio masculino. É como se a natureza também estivesse olhando para o todo e ajudasse a preservar a nova família que se formou.
Assim como as mães, os homens também estariam aptos a cuidarem de seu filho - ao seu modo é claro – com um jeito masculino de ser!
Muitos de vocês poderiam estar questionando a queda do nível hormonal, baseando-se na idade do homem e com isso detectando um viés nos achados obtidos com essa afirmação. O mais interessante de tudo, é que essa pesquisa foi realizada com mais de 600 homens em idade compatível com a reprodução e comparado com homens na mesma idade e sem filhos.
É claro que com o avançar da idade masculina, a taxa de testosterona vai declinando lentamente. Todavia, o estudo mostra que essa queda foi duas vezes maior quando o homem se tornou pai (estudo publicado na revista científica The Proceedings of the NationalAcademy of Science de 2011).
Outro dado inédito foi observado em pais que passavam mais de três horas por dia brincando com seus filhos. Esses homens também efetuavam tarefas habituais do dia a dia, tais como, alimentar, promover cuidados de higiene, vestir e até mesmo ler livros de historinhas para suas crianças. Os homens que desempenhavam essas atividades também apresentavam queda do nível de testosterona plasmática.
O Dr. Christofer Kusawa (lider da pesquisa), afirmou que cuidar dos filhos é um trabalho tão grande que, por necessidade, requer cooperação de ambos os pais para que as coisas fluam de uma maneira satisfatória, e, que os genitores são biofisiológicamente programados para ajudar nessas funções, e, por isso o estudo foi tão inovador.
A inovação da pesquisa foi surpreendente, a partir, do momento que ela pode demonstrar, objetivamente, que a paternidade, e, as exigências no cuidado de um ser humano totalmente dependente de outro, requerem muitos ajustes nos primeiros meses de vida do bebê. Neste aspecto, os reguladores primordiais seriam os emocionais, os psicológicos e os físicos para atender as demandas do momento.
Os resultados revelados por esse estudo, vão de encontro ao que já era conhecido a algum tempo, ou seja, os recém-papais, assim como as recém-mamães também podem apresentar o “baby blues”.
O “baby blues” seria um estado de impotência frente as exigências que o novo serzinho demanda de seus pais, deixando-os com sentimentos de que não conseguirão dar conta do ‘recado”.
Outro dado fomentado pela pesquisa, é que os níveis inferiores de testosterona nos recém-papais estariam relacionados a maior proteção contra doenças crônicas, o que poderia explicar, em parte, por que os homens casados e com filhos são, em geral, mais saudáveis que os homens solteiros da mesma idade. Seria o fator responsabilidade para com a família falando mais alto.
As informações obtidas com esse estudo podem trazer um sentido a mais, se aceitarmos a idéia de que homens com níveis inferiores de hormônio masculino têm maior probabilidade de manter um relacionamento monogâmico com sua parceira, de auxiliar no cuidado para com os filhos e de preservar a unidade familiar.
Seria isso verdade inquestionável?
Precisamos aguardar novas informações científicas
De qualquer forma, as informações colhidas no estudo nos faz nos aproximarmos mais dos homens e a vê-los como parte integrante do processo de cuidar dos filhos e de assegurar a unidade, tão necessária, que é a família.

26.9.11

Conteúdo: Manual de Cuidados do Recém-Nascido (...e um pouquinho mais)

Recebemos muitos emails solicitando o conteúdo do livro que acabamos de lançar pela ONG Consciência Solidária. Seu miolinho é recheado de assuntos bem legais para a futura mamãe e seu bebezinho, para o futuro papai e para as avós que já estão ansiosas para conhecerem o netinho.


Gostariamos de lembrar as nossas leitoras, que para adquirirem um exemplar, é necessário nos enviar um email, que em seguida efetivaremos o pedido. Todo o dinheiro angariado com o livro, será doado para a ONG.


Vamos ao conteúdo:

* Família: nasce uma família; o ser pais; o ser avô/avó; dicas para a família

* Recém-Nascidos: primeiras orientações e cuidados com o RN; ABC da amamentação, ; observações importantes sobre o bebê; prevenção e acompanhamento de assaduras e outros assuntos; cólicas, choro, etc.

* Criando vínculo com seu bebê: a importância do toque; segurando seu bebê no colo; sono.

* Hora do banho: o momento de ralaxamento do seu bebê; material e orientações gerais; descamação do couro cabeludo.

* Desenvolvimento do bebê do primeiro ao décimo segundo mês.

* A força da estimulação para cada fase do bebê: do primeiro ao décimo segundo mês.

* O brinquedo certo: do primeiro ao décimo segundo mês.

* Prevenção de acidentes do primeiro ao vigésimo quarto mês do bebê.

* Medos infantis mais comuns: do primeiro mês a adolescência.

* Vida emocional do bebê: do primeiro ao décimo segundo mês.

* Referências bibliográficas.



As obras sociais da ONG Consciência Solidária agradecem por cada exemplar vendido.

Dra. Regiane Glashan

22.9.11

Síndrome da alienação parental




Síndrome da alienação parental, mas o que é isso? Alguma doença nova?

A síndrome da alienação parental não é um fenômeno novo, esteve e está em evidência há muito tempo nos consultórios terapeuticos, nos escritórios de advocacia e nos tribunais de justiça.

O conceito de família vem sofrendo mudanças nas últimas décadas, afrouxando-se os elos de afetividade, e, ai a consequencia é o distanciamento do vínculo afetivo.

Não é infrequente, após a quebra do vínculo conjugal, um dos genitores ou outra pessoa com ascendência sobre a criança, estimular sentimentos de abandono, de rejeição, de traição e com resultado mórbido e danoso, o sentimento de vingança.

Essa situação gera, em alguns genitores, um processo de destruição da imagem do outro genitor, quando aquele/a não consegue superar o processo de separação. O detentor da guarda da criança/filho começa então a deflagar no filho um processo de destruição da imagem do outro genitor.

O detentor da guarda, ao tentar destruir a imagem do outro, assume cada vez mais o controle, sendo que o outro é considerado um invasor a ser afastado custe o que custar. Custe até o esfacelamento emocional da criança. O pior de tudo, é que este conjunto de manobras destruidoras confere prazer e poder ao alienador e promove sentimentos de aniquilamento no alienado.

Comportamentos que caracterizam o genitor alienante:

* exclui o outro genitor da vida dos filhos

* não comunica ao outro genitor fatos importantes relacionados à vida dos filhos: escola, médico, comemorações, etc.

* interfere nas visitas

* organiza várias atividades nos dias de visita do outro genitor

* transforma a criança em espiã do ex-cônjuge

* critica a competência profissional e a situação financeira do ex-cônjuge

* ataca a relação entre filho e o outro genitor

A alienação parental, causa distúrbios emocionais indeléveis na criança, que vai carregar para sempre sequelas de uma convivência totalmente disfuncional e desequilibrada entre seus genitores.

16.9.11

Lançamento do Livro: Manual de cuidados do recém-nascido ...




Esta semana não vamos falar sobre um tema em específico, mas sim de um sonho que se tornou realidade; a publicação e a divulgação de nosso livro "MANUAL DE CUIDADOS DO RECÉM-NASCIDO... (e um pouquinho mais)" - pela ONG Consciência Solidária.

Foi um evento realizado durante o Curso de Gestante no Centro de Convenções Atibaia nos dias 14 e 15 de setembro.

Contamos com diversas autoridades de Atibaia e região, imprensa escrita e falada, patrocinadores, amigos e as futuras mãezinhas acompanhadas de seus futuros bebezinhos e familiares. Foi uma noite especial.

Assim sendo, gostaria de dividir este dia com todos voces.