Postagens Mais Acessadas

12.5.12

O papel do pai na relação vincular com seu filho


O papel do pai na relação vincular com seu filho
Freud, o pai da psicanálise, em seu trabalho Leonardo da Vinci , diz: "na maioria dos seres humanos, tanto hoje como nos tempos primitivos, a necessidade de se apoiar numa autoridade de qualquer espécie é tão imperativa que seu mundo desmorona se essa autoridade é ameaçada".
A função paterna é fundamental para o desenvolvimento do bebê. Segundo A função é dinâmica, já que o pai representa um sustentáculo afetivo para a mãe interagir com seu bebê e também, ainda nos primeiros anos da criança, deve funcionar como um fator de divisão da relação simbiótica mãe-bebê.
A criança necessita do pai para desprender-se da mãe e, ao mesmo tempo, também necessita de um pai e de uma mãe para satisfazer, por identificação, sua sexualidade.
Além do papel crucial que o pai exerce na triangulação pai-mãe-filho, o papel paterno é crucial para o desenvolvimento dos filhos: a entrada na adolescência, quando "a maturação genital obriga a criança a definir o seu papel na procriação".
As crianças que não convivem com o pai acabam tendo problemas de identificação sexual, dificuldades de reconhecer limites e de aprender regras de convivência social. Isso mostraria a "dificuldade de internalização de um pai simbólico, capaz de representar a instância moral do indivíduo". Tal falta pode se manifestar de diversas maneiras, entre elas uma maior propensão para o envolvimento com a delinqüência.
O comportamento dos pares e a ausência paterna vêm sendo associados com maiores índices de distúrbios do comportamento em adolescentes. Pesquisas mostram que a ausência paterna geralmente tem um impacto negativo em crianças e adolescentes, sendo que estes estariam em maior risco para desenvolver problemas de comportamento.

3 comentários:

  1. Saudades de vc...precisamos marcar um chá....bjus. Matilde

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou a sua disposição - mais saudades ainda - Regiane

      Excluir
  2. Acho seu post preconceituoso, os filhos de casais homoafetivos nem são mencionados no seu post, como também não se mencionam os filhos felizes de mães de produção independente...
    e aqui sim é citado um estudo
    http://pt.indymedia.org/conteudo/newswire/1656

    ResponderExcluir