Postagens Mais Acessadas

18.9.12

Agressão, chute e birras - Como lidar com a situação?


Agressão, chute e birras - Como lidar com a situação?


Numa situação como essa o melhor a fazer é evitar as emoções exageradas e recorrer a razão. 
Caso seu filho esteja brincando com um brinquedo rico em pecinhas e começar a atirar as pecinhas nas outras crianças, tire-o de lá.

 Sente-se com ele, mostre as outras crianças se divertindo. Procure  explicar que ele poderá voltar para a brincadeira quando ele estiver mais calmo e não for machucar ninguém. 
Vamos deixar algumas dicas, porém elas não tem por objetivo servir de manual de instrução. São tão somente exemplos simples de como disciplinar as crianças em algumas situações de estresse físico e emocional que acontecem no cotidiano. Vamos lá:

*Evite perguntas do tipo:

"Como você se sentiria se outra criança jogasse uma bola em você?". Crianças pequenas não conseguem se imaginar no lugar de outra ou mudar de comportamento baseado nesse tipo de conversa. Mas elas entendem direitinho quando uma atitude gera consequências negativas. Elas ainda “funcionam” ação e reação.

*Procure manter a calma, sim a calma, mesmo sabendo que não é fácil: 
Gritar, bater ou dizer voce é "feio", malcriado ou que não está sendo um  menino legal não o fará mudar de atitude. Você só o deixará mais irritado, nervoso e destemperado.

 Para que ele possa aprender a controlar a própria raiva e a frustração, a primeira coisa a fazer é ver como os adultos fazem, o famoso modelo. Lembre-se o exemplo é você. 
*Imponha limites claros 

Não espere seu filho bater ou agredir o irmão pela terceira ou quarta vez para  dizer: "Agora chega!". Ele deve saber que fez algo errado já na primeira vez. Tire-o da situação em que está por um ou dois minutos. Deixe a poeira abaixar um pouco. Isso ajudará a acalmá-lo (e provavelmente a voce também). 
Com o tempo, ele vai relacionar o mau comportamento com a consequência ruim, e aí vai compreender e associar que, se morder ou bater, acaba perdendo bons momentos de brincadeira, alegria e a convivência com os coleguinhas. 
*Eduque-o da mesma maneira usualmente 
Toda vez que possível, aplique a mesma  bronca quando ele repetir o mesmo comportamento inadequado. Se ele mordeu, bateu, beliscou, empurrou o irmão e essa não tiver sido a primeira vez, diga: "Você mordeu o Pedrinho de novo e isso quer dizer que vai ficar de castigo outra vez".
Com essas atitudes habituais seu filho vai notar que sempre que ele faz algo errado você o educa e chama sua atenção da mesma maneira. Existe uma constância em seu comportamento como mãe (e pai).

Mesmo em público, não deixe a vergonha ou o constrangimento impedirem você de reprovar o mau comportamento de seu filho. Outros pais já passaram por isso. Caso as pessoas fiquem olhando, não dê muita atenção. 

*Ajude seu filho a se expressar pela palavra e não por meio de atitudes agressivas 
Espere seu filho se acalmar e procure conversar com calma sobre o ocorrido (mau comportamento). Pergunte sobre o que o fez ficar tão bravo, chateado ou nervoso. Diga que é normal as pessoas sentir-se bravo, mas que não é por isso que os indivíduos saem chutando, batendo ou mordendo.

Incentive-o a usar as palavras como forma de expressão e não as atitudes raivosas. Ou ainda, ensine-o a contar até 10, respirar fundo e aguardar a raiva passar. É um bom começo.

Não adianta voce fazer um belo discurso e não agir como modelo!

*Elogie o bom comportamento 

Sempre que ele tiver um bom comportamento ou fizer uma boa ação, procure elogiá-lo e incentivá-lo a ser assim.
*Limite o tempo de TV 
Alguns programas televisivos vem recheados de agressividade, formas abusivas de tirar proveito do outro ou mesmo desrespeito e falta de solidariedade. Quando voce identificar um programa desse tipo, aproveite para conversar com seu filho e explicar que isso não é adequado.
*Providencie atividades físicas 
Atividades ao ar livre, esportes, dança e atividades livres ajudam as crianças a liberar energia e criatividade.
*Quando a agressividade saiu do controle doméstico e está interferindo no âmbito social e escolar a procura por um especialista pode fazer toda a diferença.

Paciência, perseverança, limite e bom senso contam muito no dia a dia de pais e filhos. A final, lidar com os pequenos requer muita prática, habilidade e amor.

4 comentários:

  1. Parabéns..amei a leitura de vasto conhecimento algumas coisas aplico com meus filhos e certamente funcionam claro que não á curto prazo pois assim como nossos filhos precisamos de disciplina rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, obrigada pelo seu comentário. Visite-nos sempre que puder!

      Excluir
  2. Meu filho tem 4 anos, sempre teve aversão a banho e eu sempre tentei controlar a situação conforme sugerido, dando alternativas que fossem atrativas, favorecendo brincadeiras no banho, ás vezes funcionava e às vezes não, ultimamente ele sempre pedia para que eu fosse primeiro tomar banho e quando estivesse pronta o chamaria para tomar comigo, porém nesta última semana nada mais funciona, fazemos nosso combinado, que é como ele chama, mas quando chega na hora de ele ir para o banheiro é uma briga. A criatividade já está faltando pra mim e estou recorrendo para a imposição, "você vai tomar banho e ponto final!" e isso acaba sendo frustrante, como agir quando faltam alternativas?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fabiana parece que voce está passando um momento difícil. Normalmente as crianças dessa idade apreciam a hora do banho. Primeiro porque relaxa e segundo por ser hora de uma hora lúdica. Como o problema está se estendendo demais, penso que a procura por um especialista seja indicado, pois o "medo" ao banho não é normal. Um abraço!

      Excluir