Postagens Mais Acessadas

18.12.13

Natal com “N” maiúsculo!!

Não sou uma regra, mas também não me sinto um peixe fora da água. Em época como as de agora me sinto saudosista e esperançosa como muita gente.
Saudosista porque parece que os anos anteriores foram melhores ou tiveram menos agruras do que este que está se despedindo. Esperançosa no que diz respeito em nos tornarmos seres humanos melhores, renovados, empáticos e desejosos em construir um mundo melhor para nós e nossos filhos.
Esperançosa em termos no mais amplo dos sentidos um Natal com “N” maiúsculo!
No mesmo instante que refletia sobre isso, tive a oportunidade de folhear um livro de crônicas de Veríssimo, no qual ele falava sobre o Natal. Senti que seria muito bacana poder dividir essa crônica com muitas “sacadas” com vocês.
Leiam e pensem se não tem tudo a ver com o nosso momento político e social atual. Se não tem tudo a ver com o que pensamos de uma data natalina.

Crônica do Natal (de novo)
Tenho inveja dos cronistas novos. Não porque eles não sabem que todas as crônicas de Natal já foram escritas e podem escrevê-las de novo. Mas porque podem fazer isto sem remorso.
Tem a crônica de Natal tipo “o que eu gostaria que Papai Noel me trouxesse”.
A Luana Piovani ou um fac-símile razoável, a paz entre os povos, um centroavante para o Internacional (ou um fac-símile razoável) etc.
Tem as infinitas variações sobre problemas encontrados por Papai Noel no mundo moderno (seu trenó levado num assalto, sua dificuldade em se identificar em portarias eletrônicas, protestos de ambientalistas contra o seu tratamento das renas, suspeita de exploração de trabalho escravo, suspeita de pedofilia etc.).
Tem as muitas maneiras de atualizar a história da Natividade (Maria e José em fila do SUS, os Reis Magos chegando atrasados porque foram detidos por patrulhas israelenses ou militantes palestinos, Jesus vítima de uma bala perdida).
Tem as versões diferentes da cena na manjedoura, inclusive — juro que já li esta, se não a escrevi — narrada do ponto de vista do boi.
Todas já foram feitas.
Há tantas crônicas de Natal possíveis quanto há meios de se desejar felicidade ao próximo. Os cartões de fim de ano são outro desafio à criatividade humana. Pois todas as suas variações também já foram inventadas.
Quando eu trabalhava em publicidade, todos os anos recebia encomendas de saudações de Natal e Ano Novo “diferentes”, porque os clientes não se contentavam em apenas desejar que o Natal fosse feliz e o Ano Novo fosse próspero.
Uma vez sugeri um cartão de Natal completamente branco com a frase “Aquelas coisas de sempre...” num canto, mas acho que este foi considerado diferente demais. E dê-lhe poesia, pensamentos inspiradores, má literatura e a busca desesperada do diferente. Um cartão em forma de sapato, de dentro do qual saía uma meia: a meia para o Papai Noel encher de presentes e o sapato para entrar no Ano Novo de pé direito. Coisas assim.
Enfim, tudo isto é apenas para desejar a você... Aquelas coisas de sempre.
 Luís Fernando Veríssimo


Nenhum comentário:

Postar um comentário