Postagens Mais Acessadas

29.3.14

Modular as emoções pode ajudar as crianças a serem mais felizes

Ajudar as crianças a identificar suas próprias emoções e as emoções dos outros pode ajudar muito os pequenos a viver em um mundo melhor e mais feliz. Para tanto, a criança precisa desenvolver algumas habilidades: usar suas emoções de maneira eficaz, aprender a nomear as emoções e a regulá-las de forma habilidosa.
Usar as emoções de maneira eficaz significa que as crianças que conseguem fazer isso são potencialmente mais habilidosas e usam as emoções ao seu favor para resolver problemas na escola, com os amigos, com os familiares e no futuro em seu trabalho. Quando a criança usa adequadamente suas emoções, elas são capazes de identificar com maior precisão os sentimentos de si mesma e dos outros. E a vantagem do processo, reside em ler  as situações e relacionamentos e tomar a melhor decisão.
Crianças emocionalmente inteligentes e que regulam suas emoções de forma habilidosa usam as próprias emoções para modularem respostas mais empáticas de maneira útil e responsável.
Ler isso, de primeira vista, parece muito fácil, mas auxiliar a criança a identificar suas próprias emoções e sentimentos pode ser muito difícil, principalmente quando nós, adultos, temos dificuldades em fazê-lo.
            Por outro lado, sabemos que as pessoas, e em nosso caso, as crianças que conseguem usar as emoções a seu favor são mais agradáveis, queridas, comprometidas e com maiores chances de obterem sucesso em sua vida acadêmica e profissional.
            Os pais podem ajudar muito seus filhos a desenvolverem suas habilidades em lidar com os sentimentos e emoções de uma maneira positiva. Observe atentamente algumas dicas abaixo.
            Crianças aprendem observando os adultos – se você está triste e chorando, ou mesmo com raiva, não negue suas emoções. Diga para seu filho que você está realmente triste ou severamente aborrecida, mas que você está tentando encontrar uma maneira de se acalmar.
            Emoções não podem ser traduzidas simplesmente em feliz ou triste. Emoções são muito mais que isso. Use palavras diferentes para traduzir uma situação onde você está se sentindo feliz ou triste. Aproveite para ensinar sinônimos e associe a sua expressão facial e corporal. Isso enriquece o mundo infantil das interpretações de sentimentos e emoções.
            Caso seu filho esteja passando por um acesso de raiva, não negue o que esta acontecendo ou então não ignore o desconforto emocional de seu filho. Procure ser empática com seu filho e diga algo do tipo “Eu sei como você se sente. Sei que você está com raiva e frustrado por não podermos ir no parquinho agora. Quem sabe mais tarde quando você terminar seu dever de escola”.
            Sempre que possível fale sobre compaixão e se colocar no lugar do outro com seu filho e as emoções e sentimentos que emergem durante o assunto. Isso ajuda a enriquecer o mundo de seu filho.

         Flexibilidade é tão importante quanto seguir regras. As vezes é necessário mostrar aos pequenos que podemos mudar nosso ponto de vista ou divergir de outras pessoas sem destruí-las ou nos sentirmos por baixo ou menosprezados. Deixe seu filho falar sobre as divergências na escola, tente entender o ponto de vista e pondere com a criança diferentes saídas.

            Conforme a criança cresce ela vai percebendo que pode usar as emoções a seu favos, deixando-a mais espontânea, feliz e articulada. Ela não vai sentir necessidade de explodir com um colega quando algo não sai como ela quer. Seu filho poderá nomear o que sente, os receios e as consequências de algo em desacordo. Quer um exemplo bem prático?

            Imagine uma situação onde a esposa se sente temerosa em relação a seu esposo, ameaçando-o com o famoso “se” – se você não fizer isso, eu vou...

            Em vez disso, ela poderia ser autentica e dizer o que sente e as consequências: “Eu estou com raiva de você e com medo sobre as consequências de seus atos sobre a nossa família!”

            Como pode notar, as coisas são ditas de forma clara, objetiva, porém não exclui as emoções, os afetos, os sentimentos e as consequências. É uma forma inteligente de ser e se posicionar no mundo.

       Vamos começar a ajudar nossos filhos a modular as emoções?




Nenhum comentário:

Postar um comentário