Postagens Mais Acessadas

19.6.17

Difícil controlar os dedinhos




 
As crianças são surpreendentes! Fazem coisas do arco da velha! Sobem, descem, dão cambalhotas, pulam, dão piruetas, trepam em coisas impossíveis, se jogam com muita desenvoltura e raramente se machucam! Parecem que são feitas de silicone! Basta dar um beijinho carinhoso no dodói que logo o “chororo” passa e elas voltam a sorrir e a brincar novamente.
Até aqui não estou comentando nada inédito, ou, que cause espanto a qualquer pessoa, que já tenha olhado para uma criança tenaz e cheia de vida. Crianças brincam, choram, questionam, fazem birra, testam limites e algumas roubam!
Nossa! Como é mesmo?
Roubam?
Trouxe esse assunto nesta semana, tendo em vista um email que recebi, via jornal Atibaia Hoje, há cerca de algumas semanas. No email, a senhora comentava ter dois filhos seguidos, ou seja, o mais velho de 8 anos e uma menina de 6 anos. Percebeu, que de uns tempos para cá, o menino começou a roubar pequenas “coisinhas” (borracha do amigo de escola, balinha no mercadinho colado a sua casa, pequenos objetos na casa dos parentes) e a deixá-las em local visível, como se na verdade quisesse que alguém visse. Conta ainda que sua filha é muito linda, doce, afável e admirada por todos que convivem com ela.
Aqui não é muito difícil entender a reação do garotinho. Afinal ele, provavelmente, quer também ser admirado e valorizado por “coisinhas” interessantes que ele “adquire”.  Todavia, aos 7, 8 anos, já é esperado, que a criança saiba que roubar ou tomar para si o objeto de outrem é errado e inaceitável.
O que fazer então?
A primeira coisa é entender que o garotinho está tentando, mesmo que por meio escuso, chamar a atenção de sua família sobre ele, ou seja, talvez por sua irmãzinha ser tão admirada, as pessoas o deixa em segundo plano. Dessa maneira, ele se sente privado do amor de seus pares e tenta cobrar do ambiente esse amor e carinho. O roubo, nessa questão, pode ser visto como uma compensação, uma carência – algo que está faltando em demasia. Não podemos esquecer que o ser humano é sempre carente de algo!
Todavia, os pais ao fingirem, que não perceberam nada, se tornam cúmplices do roubo do filho, coniventes e responsáveis também pelo ato de roubar.
Segundo, os pais precisam passar ao garoto que o amam, que ele tem qualidades importantes e admiráveis, que ele não precisa roubar para mostrar que ele existe. Em seguida, os pais devem conversar com a criança e dizer-lhe que seu comportamento é inaceitável, reprovável e que isso deve parar imediatamente.
Terceiro, sem humilhar a criança com atitudes violentas ou com tortura psicológica, assegurar que a criança devolva o que roubou. Os pais podem acompanhar a criança durante todo o processo, fazendo o pequeno retornar o que ele pegou indevidamente e ao mesmo tempo se desculpar pelo ato com o coleguinha ou com o adulto em questão.
Por último e não menos importante, os pais devem dizer ao filho, que seus dedinhos fizeram algo que sua cabeça inteligente não queria fazer, que sua atitude, até o presente, estava pautada na necessidade de chamar a atenção, que ela é uma criança muito inteligente e capaz de mandar em seus próprios dedos daqui para frente.
Quanto aos pais, estes precisam estar mais presentes e atentos na vida da criança. Ter um momento só deles, deixar os ouvidos abertos para conversar, expor ideias e pensamentos, abrir espaço para o diálogo, e, acima de tudo ter um coração receptivo para as demandas emocionais da criança.

Nenhum comentário:

Postar um comentário